Área Restrita Home do CIFA Adicionar esta página aos Favoritos Deixe aqui a sua mensagem para entrar em contato conosco  E-mail

Buscar no site: 
 
 
         

 Economia Solidária.

O que é a Economia solidária? A definição do Ministério do trabalho e emprego para economia solidária:

(...) é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Sem explorar os outros, sem querer levar vantagem, sem destruir o ambiente. Cooperando, fortalecendo o grupo, cada um pensando no bem de todos e no próprio bem. (...) compreende-se por economia solidária o conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito, organizadas sob a forma de autogestão.

 A economia solidária enquanto movimento constituído e principalmente no ambito do poder público é recente. Geralmente programas assim surgem apartir de demandas de movimentos e não foi diferente com a economia solidária.

O FBES (Fórum Brasileiro de Economia Solidária) foi fruto de um processo histórico que no I Forum Social Mundial reuniu 1.500 pessoas para discutir a “Economia Popular Solidária e Autogestão” .A partir deste momento constutuiu-se um GT-Brasileiro (Grupo de Trabalho) composto de redes de organizações com bases associativas: rurais, urbanas, estudantis, sindicais, etc...Esse Gt buscou a construção de uma identidade do campo da “Economia Solidária”, e conseguiu atravpés das práticas de respeito às contribuições de cada região com suas especificidades. Investiu na divulgação das suas atividades. Mas, faltava uma política pública nacional de Economia Solidária. No final de 2002 com a vitória do Governo Lula , o GT , com aprocvação na I Plenária de Brasileira de Economia Solidária, encaminhou uma carta ao governo: “Economia solidária como estratégia Política de Desenvolvimento”, um documento de interlocução que apresentava as diretrizes gerais da economia solídária e reivindocava a criação da Secretaria Nacional da Economia Solídária.   

Em janeiro de 2003 aconteceu a II Plenária durante o FSM aberta pelo GT-Brasileiro com a assessoria de Paul Singere que legitimou esse GT como promotor do processao de mobilização da Economia Solidária. Logo após este acontecimento,  o Governo Federal cria a Secretaria Nacional  de Economia Solidária (SENAES) que está implementando o Programa Economia solidária em Desenvolvimento, “sua finalidade é promover o o fortalecimento e a divulgação da economia solidária mediante políticas integradas visando o desenvolvimento por meio da geração de trabalho e renda com inclusão social. 

Em junho do mesmo ano aconteceu a III Plenária que mobilizou 17 estados e contou com a participação de 900 pessoas de todo o país. Esse evento marcou a criação definitiva do Forum Brasileiro de Economia Solidária. E a principal incubencia desta forum agora legitimanente constituido era de mobilizar as bases da Economia solidária pelo país em torno da carta de Principios  e da plataforma de lutas  aprovadas pela plenária.  Foi iniciado um processo de Interlocução do FBES com a SENAES. Apartir deste evento, ainda, houve o desencadeamento da criação dos Foruns Estaduais . 

Em 2004, aconteceu o I Encontro  Nacional de Empreendimentos  de Economia Solidária com a presença de trabalahdores/as de todos os estados. 
 

 Neste processo, a Economia Solidária foi desafiada a gerir abastecimento, comercialização, trabalhar com moeda social, promover rodadas de negócio, realizar feiras em todos os estados, fazer campanha de consumo consciente, comércio justo e solidário, constituir redes, cadeias produtivas, finanças solidárias, trabalhar no campo do marco legal (especialmente: lei geral do cooperativismo e cooperativa de trabalho).   

Após as Conferencias Estaduais em 2006, realizou-se a I Conferência Nacional de Economia Solidária, em Brasília, onde foram discutidas as resoluções voltadas ao Conselho Nacional de Economia Solidária e propostas para políticas públicas para a Economia Solidária. Para melhor organização e Funcionamento integram o FBES três segmentos do campo da Economia solidária:  

1-Empreendimentos Econômicos Solidários
–são organizações que se caracterizam por serem: 

·         
Coletivas: suprafamiliares, singulares e complexas, como associações, cooperativas, grupos produtivos... 

·          Seus participantes são trabalhadores rurais ou urbanos que exercem uma gestão e alocação de resultados coletiva;

·         
São organizações permanentes com atividades econômicas definidas; 

·         
Não necessariamente precisam ter um registro legal, mas uma existência real; 

·         
Realizam como atividades: produção de bens, prestação de serviços de crédito, de comercialização e de consumo solidário e consciente; 

2-Entidades de assesoria e /ou fomento
– São organizações que desenvolvem ações nas várias modalidades de apoio direto junto aos empreendedores solidários , tais como : capacitação , assessoria, incubação, pesquisa, assistência técnica, fomento a crédito.. 

3-Gestores públicos
– são aqueles que elaboram, executam, implementam políticas de economia solidária de prefeituras e governos estaduais; 

Para obter maiores informações sobre o tema Economia solidária, sobre as formas de organização e articulação dos Fóruns; sobre as políticas públicas ligadas à Economia Solidária, sobre a agenda dos movimentos, notícias, boletins, etc...Acesse os sites:

 
 

 

Para quem quer conhecer mais sobre a Economia Solidária, inclusive tocar idéias com os atores deste movimento, há um convite:  

 

11ª Feira Estadual de Economia Popular do Rio Grande do Sul
28 de setembro a 03 de outubro de 2009.
Largo Glênio Peres –em frente ao Mercado Público em Porto Alegre

Feira de artesanato, agroindústria, confecção, praça de alimentação, todos segmentos ligados à economia solidária






Tendo presente o Carisma e Missão da Congregação e o compromisso solidário cristão, é importante reassumirmos sempre de novo a opção de continuar ajudando aos menos favorecidos como contribuição na mudança social. Nosso Carisma nasceu a partir de uma realidade concreta de exclusão social, ou seja, pessoas com necessidades especiais e que o Governo não contemplava em suas políticas sociais. Atualmente, diante das mudanças econômicas e sociais, vemos aumentar as situações de vulnerabilidade social da população, que nos desafiam a dar respostas concretas e atualizadas, como contra partida ao Estado, para sermos fiéis ao Carisma inicial da Congregação. Os projetos são pontes entre uma necessidade concreta da realidade social e a Missão da Congregação, que visa uma transformação da pessoa na sua globalidade. Estas são as razões primeiras pelas quais a Congregação implementou ,em 2007, trinta e um Projetos Sociais, subsidiando-os pela Entidade Civil – Associação Cruzeiras de São Francisco. 


Projetos Sociais 2009 Por quê Projetos Sociais?

 
Mensagem do Papa Francisco para o 55º Dia Mundial de Oração pelas VocaçõesMensagem do Papa Francisco para o 55º Dia Mundial de Oração pelas Vocações
Sugestões de FilmesSugestões de Filmes
Carta Aberta da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora Aparecida Carta Aberta da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
ASSOCIAÇÃO CRUZEIRAS DE SÃO FRANCISCO
End: Rua Tomaz Edson, nº 75 - Bairro Santo Antônio - Porto Alegre - RS
CEP: 90640-100 - Caixa Postal 2407 (90001-970)
Fone 51 3223.4114
E-mail: cifacomunica@cifa.org.br
 
cheap football jerseys classic football shirts cheap football shirts cheap football shirts cheap football kits Cheap England football shirts Cheap football shirts Cheap Ligue 1 football shirts Cheap Serie A football shirts Cheap La Liga football shirts Cheap football shirts Cheap football tops 70-243 test 70-414 test 70-466 test 70-331 test rolex wall clocks rolex clocks rolex wall clock rolex wall clock sale rolex wall clock rolex wall clocks MB2-703 dumps 70-411 dumps mb5-705 dumps 70-346 dumps 70-486 dumps 70-347 dumps windows 7 windows 7 key cheap windows 7 key windows 8 windows 8 key cheap windows 8 key buy windows 7 buy windows 10 where to buy windows 7 microsoft windows microsoft office MB6-700 OG0-093 646-206 EX0-001 70-413 buy windows 8 buy windows 7 office 2010 microsoft office 2013 windows xp Cheap football shirts Cheap France football shirts Cheap Germany football shirts Cheap Spain football shirts Cheap Italy football shirts Cheap football shirts rolex wall clock sale rolex wall clock rolex wall clock rolex wall clock Cheap football shirts Cheap football shirts
70-410 70-461 70-462 200-120 70-488 MB2-703 70-411 200-120 70-488 MB2-703 70-411 MB5-705 100-101 350-029 70-646 br0-001 sy0-201 200-120 70-488 MB2-703 70-411 MB5-705 70-243 70-346 70-486 70-347 70-480 70-483 70-414 70-466 100-101 640-554 70-331 MB2-701 70-467 350-001 700-505 640-911 70-489 700-501 70-458 70-341 70-464 70-680 74-335 350-018 70-687 70-457 70-465 MB6-700 70-413 350-029 820-421 70-342 70-460 74-338 MB6-871 200-101 70-484 400-051 70-246 70-496 74-343 MB7-702 70-685 98-349 70-247 70-332 300-206

Î÷°²¿µ½Üñ²ðﲡҽԺ Î÷°²ñ²ðﲡҽԺ Î÷°²ñ²ðﲡҽԺ À¼ÖÝñ²ðﲡҽԺ À¼ÖÝñ²ðﲡҽԺ À¥Ã÷ñ²ðﲡҽԺ ½¡¿µÒ½Ôº ñ²ðﲡÈËÄÜÓÃÕë¾ÄÖÐÒ½ÖÎÁÆÂð ¼ÃÄÏÖÎÁÆÑòñ²·è ÈçºÎ»¤ÀíÄÔÍâÉËñ²ðﲡ·¢×÷ ÖÎÁÆñ²ðï×îºÃµÄÒ©ÎïÊÇʲôҩ ñ²ðﲡ»áÒÅ´«¸øº¢×Ó ñ²ðﲡÄÔµçͼ¼ì²é½á¹û ¸ùÖÎñ²ðﲡ·½·¨ÊÇÔõÑùµÄ ÄÔÍâÉËñ²ðﲡ×î¼ÑÖÎÁÆÊֶΠ˯ÃßÐÔñ²ðïÄÄÀïÄÜÖÎÓú ÖÎÁÆñ²ðﲡ¶àÉÙÇ® ñ²ðïС·¢×÷Ôõô¼±¾È ñ²ðï´ó·¢×÷µÄÖ¢×´±íÏÖÊÇʲô ½á³¦°©ÖÐÆÚÄÜ»î¶à¾Ã θ°©¶à¾ÃµÄDZ·üÆÚ ·Î°©µÄ·¢²¡Ç±·üÆÚ ÉϺ£¿´µÄºÃ°©Ö¢Ò½Ôº ÖÐÍíÆڸΰ©ÈçºÎÖÎÁƺà ±±¾©ÄļÒÖÎÁÆÖ×ÁöÒ½ÔººÃ θ°©µÄÖÎÁÆÒ½ÔºÔõôÑù ±±¾©·Î°©×îºÃЧ¹ûÊÇÄļÒÒ½Ôº ±±¾©Ê³µÀ°©Ñо¿ÖÐÒ½Ôº רҵÖÎÁÆθ°©µÄÒ½Ôº »¼ÁËθ°©ÍíÆÚ°©Í´Ôõô ½á³¦°©ÍíÆÚËÀÇ°Ö¢×´ÊÇʲô ÖÎÁƷΰ©ÍíÆڱȽϺð취 ÄļÒñ²ðﲡҽԺרҵ Õë¾ÄÖÎÁÆñ²ðﲡ Ôõô³¹µ×¸ùÖÎñ²ðﲡ ÄÑÖÎÐÔñ²ðïÖÎÁÆ ÇëÎÊñ²ðﲡ¿ÉÒÔ³¹µ×ÖÎÓúÂð ÂýÐÔñ²ðïÔõôÖÎÁƺà ñ²ðﲡÔõôÖÎÁƲÅÄÜÖÎÓú ±±¾©×¨¿Æñ²ðﲡҽԺ ñ²ðïÆ«·½×î¹ÜÓõÄÓÐÂð ñ²ðï³ÔÎ÷Ò©¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ñ²ðï¼²²¡¶à¾Ã¿ÉÒÔÖÎÓú ·Î°©µÄÖÎÁÆÄÄÖÖ·½·¨×îºÃ ·Î°©µÄÖÎÁÆÄÄÖÖ·½·¨Ð§¹û×îºÃ ·ÎÁÛ°©»¼ÕßÓ¦¸ÃÔõÑùÖÎÁÆ ·Î°©ÖÎÁƵÄ×îм¼ÊõÊÇʲô Сϸ°û·Î°©ÓÐЧµÄÖÎÁÆ·½·¨ÓÐÄÄЩ θ°©ÍíÆÚÈçºÎÖÎÁÆЧ¹ûºÃ θ°©ÍíÆÚµÄ×îºÃµÄÖÎÁÆ·½·¨ÓÐÄÄЩ ¸Î°©ÍíÆÚ»á³öÏÖʲôÑùµÄÖ¢×´ ±±¾©Ö×ÁöÒ½ÔºÄļҺà ·Î°©ÍíÆÚÄÜ»î¶à¾Ã ¸Î°©ÍíÆÚÄÜ»î¶à¾Ã ±±¾©ÖÎÁÆθ°©µÄÒ½Ôº ±±¾©Ê³µÀ°©Ò½ÔºÄļҺà ֱ³¦°©ÄÜÖÎÓúÂð ±±¾©½á³¦°©Ò½Ôº ±±¾©ÖÎÁƷΰ©×îºÃÒ½Ôº ±±¾©Ö×ÁöÒ½ÔºÄļҺà ±±¾©·Î°©ÄļÒÒ½ÔººÃ ·Î°©µÄÍíÆÚÖ¢×´ÓÐÄÄЩ ʳµÀ°©ÖÐÍíÆÚÄÜ»î¶à¾Ã ±±¾©ÄÔ̱ҽԺÄļҺà ±±¾©ÄÔ̱ҽԺ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ±±¾©ñ²ðﲡҽԺÅÅÃû ñ²ðﲡ¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ÖÎÁÆñ²ðﲡ×îºÃµÄÒ½Ôº ±±¾©ñ²ðﲡҽԺÄļҺà ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡ¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡ¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ±±¾©ñ²ðﲡҽԺÅÅÃû ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðïµÄÒ½Ôº ±±¾©ñ²ðﲡҽԺÄļҺà ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðïµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ С¶ùñ²ðïÄÜÖÎÓúÂð ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ±±¾©ÄļÒÒ½ÔºÖÎÁÆñ²ðﲡºÃ ñ²ðﲡÈ˲»ÄܳÔʲô ñ²ðﲡÈËÄÜÉúº¢×ÓÂð ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðïµÄÒ½Ôº ÖÎÁÆñ²ðﲡ×îºÃµÄÒ½Ôº ÖÎÁÆñ²ðﲡ×îºÃµÄÒ© ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡ¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡ»áÒÅ´«Âð ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ¶ùͯñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ±±¾©ñ²ðﲡҽԺÅÅÃû ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ÖÎÁÆñ²ðﲡ×îºÃµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡÈ˲»ÄܳÔʲô ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡµÄÔçÆÚÖ¢×´ ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ±±¾©Ö×ÁöÒ½ÔºÄļҺà ·Î°©ÍíÆÚÄÜ»î¶à¾Ã ¸Î°©ÍíÆÚÄܻÄê ñ²ðﲡ¿ÉÒÔÖÎÓúÂð ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡÈËÄÜÉúº¢×ÓÂð ±±¾©ñ²ðﲡר¿ÆÒ½Ôº ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðïµÄÒ½Ôº θ°©ÍíÆÚÄÜ»î¶à¾Ã ñ²ðﲡµÄÖ¢×´ ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡÊÇÔõôÒýÆðµÄ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ±±¾©ÖÎÁÆñ²ðﲡµÄÒ½Ôº ñ²ðﲡµÄ×îÐÂÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡµÄÖÎÁÆ·½·¨ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ñ²ðﲡÈ˵ÄÊÙÃü ñ²ðﲡÈ˲»ÄܳÔʲô ñ²ðﲡ»áÒÅ´«Âð ±±¾©ñ²ðﲡҽԺ ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð Ô­·¢ñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð ÇàÉÙÄêñ²ðïÖÎÁÆ ¶ùͯñ²ðﲡÄÜÖÎÓúÂð